Garimpos da Netflix || Um Contratempo

MV5BMjcwZWNjYjMtZDVlNS00ZDg3LTk2MzUtMzVkYjNjNDI1MzgyXkEyXkFqcGdeQXVyMjE0OTQ1OTM@._V1_SY1000_CR0,0,1300,1000_AL_
Compartilhar:

O Garimpo de hoje é um filme espanhol, estrelado por Mario Casas, de Paixão sem Limites e a incrível Palmeiras de Las Nieves (minissérie disponível na Netflix), que entrou para o catálogo há algum tempo. O longa trata de um empresário de sucesso que é acusado de assassinato e, com a ajuda de uma influente advogada, tem cerca de três horas para repassar os detalhes do caso e montar uma defesa inabalável.

Um Contratiempo, título original, tem um roteiro bem amarrado, que durante toda sua exibição deixa algumas pequenas pistas para os espectadores, mas que de fato só fazem sentido, em seu desfecho. O longa consegue manter certa linearidade em seu suspense e, mais importante ainda, consegue mantê-lo até os últimos minutos, quando somos levados a entender todo o contexto. É incrível.

O longa tem uma fotografia belíssima, voltada para tons frios, ora claros ora escuros, que nos remetem a frieza dos personagens principais. Os únicos momentos em que existem uma tonalidade mais quente, são momentos em que o casal está em meio a outras pessoas, criando um clima casual. Além da fotografia que diz muito sobre o filme em si, há o foco no olhar, quando uma câmera está sempre de frente e muito próxima do ator, como se quisesse que observássemos com atenção.

Não há uma originalidade absurda na trama. Pelo contrário, é um enredo simples, mas que dirigido de maneira inteligente, consegue entreter seu espectador. O mais legal de encontrar filmes que fogem do circuito americano, é que podemos conhecer outros atores e produções que possuem tanta (ou até mais) qualidade que as que estamos acostumados. O fato é que no cinema americano, somos sempre levados a um desfecho trágico que acaba se tornando um espetáculo de tiros, perseguições, acidentes. Em Um Contratempo não temos cenas de ação absurdas, nem tiro, porrada e bomba (segundo a pensadora contemporânea Valesca Popozuda), mas temos um plot twist que vai deixar o público de bocas abertas. É difícil ficar procurando por aspectos negativos em um filme deste porte. E não há.

Fonte e Imagens: Imdb

Formada em gastronomia por uma universidade paulista, especialista em jornalismo cultural e uma artista por natureza. Apaixonada por livros, séries e cinema desde sempre.

Nina Xaubet – que já escreveu publicações em Cinefilando.


Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*