Em Dvd || Longe dos Homens

MV5BMTQ3MTg1MTQ1MF5BMl5BanBnXkFtZTgwNDQ3MTMzMjE@._V1_SY1000_CR0,0,1643,1000_AL_
Compartilhar:

Durante a Guerra da Argélia, em 1954, o professor Daru (Viggo Mortensen fora recrutado para lutar pelo exército francês. Ele nasceu na Argélia, mas é de família espanhola. Sua identidade e nacionalidade são questionadas por argelinos e também por franceses. Daru não concorda com a guerra e se sente totalmente deslocado. A polícia questiona sua lealdade , acreditando que ele pode ser um traidor disfarçado.

Particularmente, me interessei pelo título a fim de conhecer outro trabalho do ator Viggo Mortensen, muito conhecido por interpretar Aragorn na trilogia O Senhor dos Anéis. Gosto muito do trabalho dele, embora alguns filmes tenham deixado um pouco a desejar. Mas vamos lá..

Longa-metragem de estreia de David Oelhoffen é uma tremenda surpresa. Daru é um antigo comandante franco-argelino da Segunda Guerra Mundial, e atualmente um professor de primário junto a uma aldeia onde nasceu e cresceu, na Argélia em 1954 que também era assolada pelo começo de uma guerra da independência. Daru acaba por ser incumbido de transportar um prisioneiro árabe, Mohammed (Reda Kateb) que foi acusado de matar um primo em uma outra aldeia. Contudo, Daru se recusa a fazê-lo, porque seus princípios baseiam-se na paz e não na violência.
Daru, ao que parece, tenta se redimir com a sociedade ao se exilar dela, em contrapartida, ele dá aulas para crianças em uma escolinha no meio do deserto. Mas mesmo excluindo-se da sociedade, ele entra em conflito consigo mesmo e acaba indo em uma jornada pelo deserto para levar Mohammed para ser executado. O filme em si, não explica sobre o conflito na Argélia, mas consegue claro as diferenças sociais, de patente e de sobre nativos e colonos.
O cineasta acaba por fazer uma adaptação muito bem executada e que não deixa a desejar em nenhum momento. É profundo e questionador, e exibe Mortensen em uma de suas atuações mais brilhantes.
Nota: 4/5

Formada em gastronomia por uma universidade paulista, especialista em jornalismo cultural e uma artista por natureza. Apaixonada por livros, séries e cinema desde sempre.

Nina Xaubet – que já escreveu publicações em Cinefilando.


Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*