Paulistando || Caixa Belas Artes

cine-caixa-belas-artes (1)
Compartilhar:

São Paulo tem mil e um shoppings e salas de cinemas de qualidades altíssimas com as melhores telas que exibem os filmes do momento. Sou frequentadora assídua de salas de cinema e tenho lá minhas preferências quanto aos locais onde filmes legendados são exibidos com maior e menor frequência. São Paulo e a maioria das cidades grandes que possuem redes de cinema tem o mesmo problema: a exibição de filmes dublados em 90% dos horários, deixando os filmes legendados para horários tardios, e a lotação das salas. Em uma dessas duas experiências, encontrei o “Belas Artes, meu amor”.

logo

Já havia passado pela rua Consolação várias vezes, mas nunca tinha entrado no cinema de rua, conhecido desta forma por não ser uma franquia de shopping. O Caixa Belas Artes exibe filmes desde meados dos anos 50 e foi, oficialmente inaugurado, em 1967 com a exibição de “Os Russos estão chegando, os russos estão chegando”. O Caixa Belas Artes ganhou a divisão de 6 salas de cinema e cada uma delas recebe o nome de um artista brasileiro: Candido Portinari, Villa Lobos, Oscar Niemeyer, Aleijadinho, Mário de Andrade e Carmen Miranda, e as salas são todas bem amplas com uma boa visibilidade para a tela.

about1-270x505

Um dos pontos legais do cinema é que os filmes em cartaz geralmente ficam por mais tempo sendo exibidos, além da diversidade de longas estrangeiros. Ainda tem a lojinha de souvenir’s, a bomboniere e uma pequena cafeteria. O lugar é todo decorado com pôsteres de filmes antigos e, normalmente, está lotado nos finais de semana, mas ainda sim, é uma boa pedida para quem quer ver algum filme estrangeiro ou que normalmente não é exibido com frequência nos cinemas de shopping.

sala 1

Mas, apesar de ser um dos cinemas queridinhos da cidade, em 2011 ele teve suas portas fechadas. A falta de fundos para manter o prédio e o cinema funcionando foram os principais motivos. Em 2013, o cinema teve sua fachada tombada como patrimônio histórico cultural e em 2014, a Prefeitura de São Paulo e a Caixa Econômica fizeram uma parceria e reabriram o cinema. Ah, e ainda tem o drive-in que embora tenha esse nome, não é um dos tradicionais, daqueles que se para o carro e assiste ao filme. Mas sim uma sala com bancos de carro e um trailer antigo que serve algumas receitas de um cardápio especial.

O Riveira Bar, de Facundo Guerra, atravessa a Rua da Consolação e ganha um posto avançado dentro da sala 3 do Caixa Belas Artes, de André Sturm, que agora passa a ser chamada de sala Drive-In. A ideia da parceria surgiu na época da reinauguração do cinema em 2014 e conquistou o apoio de Budweiser para ser inaugurada ao público. Remodelada, a sala comporta 83 pessoas, acomodadas em bancos de carro restaurados como Dodge, Impala, Galaxie e Cadillac, além de duas fileiras de poltronas tradicionais. No fundo da sala, a cozinha foi montada na carcaça de um trailer inspirado no clássico modelo Airstream, onde as receitas serão finalizadas.

A Caixa Belas Artes é um lugar icônico, daqueles em que você para e fica imaginando como seria a vida ali em torno de 1950, como seriam as pessoas, os filmes, os acontecimentos… Um ponto de encontro entre o clássico e o urbano.

Imagens e informações: www.caixabelasartes.com.br

4

Formada em gastronomia por uma universidade paulista, especialista em jornalismo cultural e uma artista por natureza. Apaixonada por livros, séries e cinema desde sempre.

Nina Xaubet – que já escreveu publicações em Cinefilando.


Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *