Cinefilando || Cisne Negro

maxresdefault
Compartilhar:

 

maxresdefault

Sinopse: Beth MacIntyre (Winona Ryder), a primeira bailarina de uma companhia, está prestes a se aposentar. O posto fica com Nina (Natalie Portman), mas ela possui sérios problemas interiores, especialmente com sua mãe (Barbara Hershey). Pressionada por Thomas Leroy (Vincent Cassel), um exigente diretor artístico, ela passa a enxergar uma concorrência desleal vindo de suas colegas, em especial Lilly (Mila Kunis). Indicado á cinco oscar, entre eles melhor filme, diretor, fotografia, edição e atriz; futurando o prêmio de melhor atriz, para Natalie Portman, no globo de ouro; onze indicações no BAFTA e quatro indicações no Independent Spirit Awards, “Black Swan” entra com tudo nas telonas de todo o pais. Natalie Portman faz o papel da bailarina principal da companhia de teatro e dança, sua personagem (Nina Sayers) é escalada para fazer o papel do cisne branco, na grande obra “O Lago dos Cisnes”; porém, seu diretor quer que ela faça as duas personagens, o cisne branco e negro. A grande dificuldade de Nina está em interpretar o cisne negro, que é forte, sensual e dramático, totalmente o oposto dela, uma pessoa delicada, infantil e, até mesmo, covarde.  As sequencias de dança que Portman faz durante o filme são impressionantes, pode-se notar todo o esforço que ela usou para fazer Nina. Vemos isto até mesmo em sua magreza… Não é atoa que ela concorre ao oscar de melhor atriz que, na minha opinião, poderia levar o prêmio.

O filme consegue nos transportar á duas realidades simultaneamente: o mundo imperfeito do ballet preciso da delicada Nina, como o do sensual e violento da despreocupada Lily, uma provável concorrente de Nina Sayers. Assim como figurino, escala de elenco, fotografia, maquiagem, a trilha sonora também é excelente. Conseguindo mesclar, de forma perfeita, o clássico de Tchaikovsky com o eletrônico de Clint Mansell, têm-se uma atmosfera tensa, sensual, delicada e envolvente, tornando o filme tão dramático como o próprio gênero diz. Todo a história das presonagens, principalmente de Nina, somando-se ao filme como um todo, o torna dramático, mas não no mesmo sentido que a aioria de nós costuma dirigir a este gênero. Cisne Negro é um filme artisticamente dramático.
dfc0912274b72067f5ca8ac8c1ecb3e0

As sequências do cisne branco, com toda sua delicadeza são perfeitas. Mas foi interpretando o Cisne Negro, que Natalie Portman consegue nos impressionar, mostrando total oposição á sua outra personagem. Portman consegue demonstrar toda a raiva oprimida e sensualidade que existe dentro da delicada Nina Sayers. Para quem gosta de um bom clássico, somado a outros grandes atores e uma excelente trilha sonora, ou para quem é um cinéfilo que não perde a chance de  ir ao cinema, O Cisne Negro é o filme indicado.

Premiada pelo papel, Portman realmente entregou-se à interpretação de Nina. Perdeu peso, aprendeu a dançar (ainda que em vários momentos tenha sido ajudada pelas suas dublês) e tem cenas de sexo mais ousadas do que o público norte-americano está acostumado em seus “filmes de Oscar”. (Omelete)

Apesar da grande credibilidade que Aronofsky tem com o público, ninguém poderia prever o enorme sucesso que Cisne Negro vem fazendo nas bilheterias (está próximo da marca de 100 milhões só nos EUA). Antes mesmo de estrear, o filme já colecionava fãs, o que, se tratando de um filme sobre uma arte tão clássica quanto o ballet e com orçamento tão enxuto, é um fenômeno.  (Paraná Online)

Publicado originalmente em 12 de outubro de 2011.

Formada em gastronomia por uma universidade paulista, especialista em jornalismo cultural e uma artista por natureza. Apaixonada por livros, séries e cinema desde sempre.

Nina Xaubet – que já escreveu publicações em Cinefilando.


Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *